É melhor ser um especialista ou um generalista?

2010-1_butterflies_1974.gif

O especialista é aquele que é excelente em um determinado campo. O generalista é aquele que é razoavelmente bom em diversos campos.

Diversas vezes na sua vida você vai passar por esse dilema: “É melhor eu ser um especialista em algo, ou um generalista em tudo?

Você pode achar que essa é uma pergunta difícil de responder, mas não é. Na verdade, você só precisa responder a outra pergunta, bem mais fácil, para decidir se você deve ser um especialista ou um generalista:

A pergunta é: “Eu quero ter sucesso?”

É uma pergunta bem fácil de responder, não é? Mas como é que ela leva à resposta de se você deve ser um especialista ou generalista?

Resposta: Se você quer ter sucesso, você deve se tornar um especialista. Senão, você deve se tornar um generalista.

Calma, calma, eu já sei que você pensou: “Mas os generalistas podem ter sucesso! Eu conheço um generalista de sucesso!”. Eu já vou chegar lá. Continue comigo.

O motivo pelo qual você deve se tornar um generalista se você não se importar em ter sucesso é que é muito mais legal ser um generalista. A maior parte das pessoas concorda que é mais empolgante aprender uma série de coisas novas e diferentes do que ter que melhorar sempre na mesma coisa.

Além disso, quando você ainda está aprendendo um campo, o progresso é rápido e evidente. Depois que você já domina uma habilidade por anos, o progresso se torna lento e doloroso. Às vezes. Você vai até duvidar de que fez qualquer progresso nos últimos meses.

Portanto, do ponto de vista pessoal, é muito mais motivador e divertido ser um generalista.

Mas, para ser uma pessoa de sucesso, você depende do reconhecimento e da valorização das outras pessoas. E as pessoas não valorizam os generalistas.

As pessoas valorizam os especialistas.

Isso porque as pessoas têm muita dificuldade em associar áreas diferentes com a mesma pessoa ou empresa. Elas só pensam naquilo que as interessa naquele determinado momento.

Ninguém pensa se a Yamaha vende motos quando quer comprar um teclado. As pessoas só pensam se a Yamaha vende bons teclados.

Da mesma forma, ninguém pensa nos teclados da Yamaha quando quer comprar uma moto. As pessoas só se importam se a Yamaha vende boas motos.

Ninguém se importa se a Motorola vende infra estrutura de telefonia ou não quando quer comprar um celular. Eles só querem comprar o melhor celular.

Você deve estar se perguntando: “Mas e quanto às empresas que são generalistas em áreas relacionadas?

Afinal, você se importa se a Apple faz ou não o seu celular caso você possua um notebook da Apple. Você se importa se a Fender faz amplificadores se ela faz a sua guitarra.

A resposta para essa pergunta é menos óbvia: “Essas empresas não são generalistas. Elas são especialistas em um campo mais amplo”.

Não, não dá para ser um “especialista em tudo” seguindo essa teoria. Ser especialista continua sendo “alguém que é excelente em um determinado campo”. Só que um campo normalmente consiste de múltiplas habilidades.

Por exemplo, alguém que é especialista nos 100 metros rasos precisa ser um excelente em explosão e velocidade.

Um especialista em futebol, no entanto, precisa ser excelente em explosão e velocidade, mas também em controle de bola, impulsão, e marcação ou chute, dependendo da posição em que ele jogue. Um goleiro precisa ter domínio de outras habilidades ainda.

“Jogador de futebol” é um campo “amplo”. Você precisa dominar diversas habilidades para poder ser um jogador destacado.

A maior parte dos especialistas no mundo precisa dominar diversas habilidades. Um executivo de sucesso precisa ter excelentes habilidades de gerenciamento, raciocínio abstrato, planejamento, comunicação, persuasão e administração do tempo, entre outras. Isso faz dele um “executivo especialista”, e não um generalista. Esses fatores influenciam diretamente em seu sucesso como executivo.

Ninguém se importa se esse executivo é um excelente surfista ou se ele sabe andar de patins. Essas habilidades são praticamente irrelevantes para formar um executivo de sucesso.

Quando você pensar em um “especialista”, pense em todas as habilidades que estão relacionadas com aquela especialidade. É preciso saber mais do que uma linguagem de programação para ser um programador especialista, mais do que saber oferecer algo para ser um vendedor especialista, mais do que saber elaborar um cronograma para ser um gerente especialista.

Mas se você quiser ter sucesso, você vai precisar ser um especialista em algum campo.

Anúncios

3 comments so far

  1. bjornn on

    Muito bem explicado.

    Às vezes as pessoas pensam em especialistas como pessoas que dominam um único item. O exemplo do futebol ajudou a ilustrar bem, pois o melhor chutador, de esquerda, de bolas molhada vindo com efeito em ângulo obtuso ao gol, não terão muito sucesso mesmo.

  2. Toledo on

    Correto. A maior parte das pessoas pensa em especialistas como pessoas que dominam apenas uma habilidade. Na verdade, especialistas são pessoas que dominam uma determinada função, tendo domínio em níveis diferentes de todas as habilidades envolvidas para desempenhar aquela função em um nível excepcional.

    Mas às vezes eles chamam de generalista um especialista medíocre. Tipo: “Ah, aquele jogador é um generalista: Ele toca mais ou menos, corre mais ou menos, cabeceia mais ou menos”. Ele não é um generalista. É só um jogador medíocre.

    Para se destacar em um campo, é preciso dominar com qualidade todos as habilidades envolvidas para aquela função. Sem exceção.

  3. MARIA INÊS DO NASCIMENTO MANESKUL on

    Boa Noite

    acredito que dependendo da área que você vai seguir, ou melhor, a profissão que você escolheu é melhor ser especialista pois você conseguirá se destacar com tudo que aprendeu na faculdade e no seu trabalho (isto quando você consegue ingressar na área que estudou).
    Mas, ao mesmo tempo, para quem não gosta de rotina, como eu, é melhor mesmo ser generalista, pois não há rotina no seu dia a dia, você está sempre querendo aprender coisas novas.
    Eu por exemplo, adoro inglês, mas como trabalho no Forum há quase 25 anos resolvi cursar a faculdade de direito e não me arrependo, me formei em 1992 e depois de alguns anos, precisamente em 2008 comecei a fazer a faculdade de tradutora e interpréte e parei pois não estava conseguindo arcar com as despesas do curso. Hoje estou aposentando e pretendo advogar e voltar a estudar inglês. Por que não?? Você pode trabalhar no que se formou para ganhar dinheiro e voltar a estudar por hobby na área que você mais gosta, no meu caso é o inglês.
    O importante nesta vida é ser feliz e aliar o trabalho com o lazer (no meu caso o inglês).
    Um abraço a todos

    Maria Inês
    inesharon@yahoo.com.br


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: